Employer Branding: utilizando a estratégia de marca empregadora para atrair talentos

Share RH

Share RH,

Publicado dia 22/06/2021

Employer Branding: utilizando a estratégia de marca empregadora para atrair talentos

Em um mercado de trabalho cada vez mais dinâmico e competitivo, a capacidade de atrair bons profissionais se tornou uma premissa fundamental para as empresas que querem construir um time de alta performance.

A fim de vencer os desafios existentes em torno desta missão, os profissionais de Recursos Humanos (RH) recorrem a diferentes estratégias de atração de talentos, sempre visando um objetivo comum: estabelecer suas respectivas empresas como um bom lugar para se trabalhar e, assim, proporcionar uma jornada positiva aos profissionais desde o primeiro contato.

Entre as técnicas que se destacam nesta frente está o Employer Branding, termo que se refere à reputação de uma empresa como marca empregadora, sob a ótica da atração, retenção e engajamento dos talentos.

Ao decorrer deste artigo, falaremos deste conceito, trazendo os seguintes insights:

Employer Branding diz respeito às estratégias de construção da reputação de uma marca com foco no engajamento de colaboradores e atração de talentos;

A definição do Employee Value Proposition (EVP) é fundamental para a criação de estratégias eficazes de Employer Branding;

Para colocar o Employer Branding em prática, além do EVP, é preciso definir o perfil dos talentos que a empresa deseja atrair;

As estratégias de Employer Branding dão vida às experiências criadas para os colaboradores da empresa, o chamado Employee Experience.

Quer saber mais sobre o assunto e ver como uma marca empregadora forte é capaz de fazer a diferença para o sucesso da gestão de pessoas? Então continue com a gente até o final deste post!

Dando início à estratégia de atração

Antes de explorarmos o conceito de Employer Branding mais a fundo, precisamos falar sobre uma etapa que está na essência desta estratégia: a definição do Employee Value Proposition (EVP).

O EVP pode ser entendido como a proposta de valor que a organização tem para os seus colaboradores. Em outras palavras, é tudo o que uma companhia oferece em troca do tempo e esforço que os profissionais dedicam ao negócio.
É por isso que, antes de iniciar qualquer divulgação sobre a marca empregadora, é preciso contar com um EVP muito bem definido.

De forma geral, o EVP deve ser construído a partir de cinco pilares principais. São eles:

Compensação: engloba a satisfação salarial, promoções e aumentos, bem como conquistas e oportunidades;

Benefícios: estão relacionados a férias, plano de saúde, satisfação com o sistema e flexibilidade, entre outros pontos;

Carreira: envolve as oportunidades de progressão e desenvolvimento, estabilidade, treinamento e educação no trabalho, avaliação e feedback;

Ambiente de trabalho: engloba o reconhecimento, autonomia, realização pessoal e equilíbrio entre vida e carreira;

Cultura: está relacionada ao entendimento dos planos e objetivos organizacionais, suporte e colaboração de times, responsabilidade social e propósito.

Aqui, é importante lembrar que o EVP deve refletir o que a empresa realmente consegue oferecer. Por isso, o primeiro passo é realizar um diagnóstico interno para levantar os pontos fortes e diferenciais da companhia, bem como as fraquezas que devem ser resolvidas.

Agora sim, vamos falar sobre Employer Branding?

Após a definição do EVP, você verá que ficará muito mais fácil colocar as ações de Employer Branding em prática.
Como explicamos anteriormente, Employer Branding é um termo que se refere à reputação de uma empresa como marca empregadora. Em outras palavras, trata-se de uma série de técnicas e estratégias que tem como objetivo construir a imagem da organização como um bom lugar para se trabalhar, tendo como base o que foi definido no EVP.

Partindo da premissa de que vivemos em uma era de transparência radical, promovida principalmente pelas redes sociais, quando uma empresa deixa transparecer sua cultura, valores, processos e relações junto ao público, a marca passa a ser compreendida de forma mais ampla.

Dessa forma, a cultura e a experiência dos colaboradores para com a empresa se tornam algo tão forte e explícito, que elas são capazes não apenas de reter profissionais, como também de promover a atração de novos talentos.

Sendo assim, elaborar um plano estratégico de Employer Branding, com ações que estejam focadas na jornada do colaborador desde o primeiro contato que ele tem com a empresa, tem se mostrado uma forma eficaz de favorecer os processos de recrutamento e seleção.

Colocando o Employer Branding em prática

Definir as bases do plano de construção de uma marca empregadora é o primeiro passo para o sucesso de qualquer iniciativa de Employer Branding. Por isso, ao colocar essa estratégia em prática é fundamental pensar nas mensagens-chave que serão passadas – ou seja, em um discurso da marca que seja claro, consistente, alinhado com o EVP e atrativo para os talentos.

Outro ponto importante nesta jornada é definir os perfis de profissionais que sua empresa almeja alcançar a partir desta comunicação.

Para isso, recomenda-se inclusive realizar um diagnóstico completo da percepção que os atuais colaboradores já possuem em relação ao ambiente de trabalho, ouvindo-os forma aberta e receptiva.

Considerando este cenário e as necessidades atuais da companhia, é chegada a hora de fazer a definição de um alvo ideal imaginário, com características profissionais e comportamentais que os tornam adequados à empresa.

É a partir da definição desta persona, que você conseguirá adaptar o tom da sua comunicação e segmentar os canais mais utilizados pelo público que você deseja atingir.

Com todos os pontos levantados, você terá o que precisa para iniciar a produção e divulgação de conteúdos diversos – vídeos, posts em redes sociais, lives, artigos e outros – focados em atração.

O objetivo desta estratégia é promover as histórias únicas da empresa de uma forma relevante, a fim de criar conexões humanas entre as organizações, seus colaboradores e os talentos desejados no mercado.

Neste momento, destaca-se também o papel dos “embaixadores da marca”, grupo de colaboradores selecionados para divulgar conteúdos e opiniões sobre a organização. A comunicação promovida pelos embaixadores tem grande potencial de conexão com os talentos desejados, já que são conteúdos produzidos por pessoas e para pessoas.

O último passo do Employer Branding é medir e acompanhar os principais indicadores de sucesso da estratégia, como, por exemplo, engajamento em redes sociais, número de candidaturas, número de candidaturas qualificadas (dentro do perfil desejado pela empresa) e a participação em eventos ao vivo (lives).

O impacto do Employer Branding no Employee Experience

Como você viu até aqui, as estratégias de Employer Branding visam criar uma vivência significativa para os colaboradores desde a fase de atração.

Neste sentido, construir uma marca empregadora forte, capaz de comunicar a imagem da empresa não apenas para os atuais empregados, como também para os seus públicos estratégicos é fundamental e impacta toda a jornada do Employee Experience.

Se você gostou deste conteúdo e deseja se aprofundar ainda mais no assunto, clique aqui e confira a entrevista que o Luiz Drouet, Managing Partner da Share RH, concedeu durante o RH Summit.

Deixe o seu comentário e conte-nos o que achou deste artigo